Carta para um pai de primeira viagem

Carta para um pai de primeira viagem

Deve ser difícil digerir a notícia da gravidez de uma mulher. Você mal sabe o que fazer com aquela informação que geralmente vem com uma grande alegria. Não dá pra desapontá-la, embora seu espanto seja um mix de sentimentos.

Você não sabe se precisa comemorar ou de um emprego melhor pra dar conta dos gastos que virão.
Ninguém te conta o que vai acontecer nos meses seguintes, por isso, eu vou te contar.

Nos próximos meses ela vai ficar um pouco estranha. Pode ser que vomite, pode ser que não. E provavelmente vai engordar. Muito. Por favor, não diga a ela nada sobre o excesso de calorias que está ingerindo. Isso é proibido nos próximos meses. Se ela quiser comer chocolate, compre chocolate. Se quiser iogurte, encha a geladeira de iogurte. Se quiser salsicha temperada com mousse de limão, se vira. Entenda que ela está fazendo um grande trabalho, mesmo quando aparentemente não está fazendo nada. Dentro da sua barriga está se formando o seu filho. Os pés, cabeça, rins, orelha.

E isso, meu caro, é muito importante.

Talvez ela se descontrole um pouco por causa dos hormônios. Então, se ela chorar, não é por sua causa. Ela não ia ficar tão chateada só porque você deixou a toalha molhada sobre a cama. Mas pode ser que qualquer coisa vire uma crise. Só evite ser displicente, fazer coisas que ela não gosta, dirigir mal. Essas coisas. Porque o temperamento dela vai oscilar entre doce – muito sensível, quase um neném – e um leão faminto.

Ah, pode ser que você não a reconheça nessas horas. Isso também é normal. Mas vai passar.

A barriga começa a crescer. Que alegria. Você se dá conta de que ela está mesmo grávida. E isso vai te provocar um misto de sensações. Por um lado, começa a pesar a responsabilidade de ser pai. E isso pode te deixar com medo. Por outro, vem aquela vontade louca de satisfazer todos os desejos da mulher.
Enfrenta o medo e faz o que for preciso. Não seja um babaca, por favor.

Ela começa a pensar em tudo que uma mulher pensa quando está grávida. Desde o papel de parede do quarto, até o tipo de parto. Você vai ficar surpreso com a capacidade de sua mulher em saber tudo que um bebê precisa.
Até então, você achava que eram só fraldas.

Pode ser que ela queira tomar todas as decisões sozinhas. Se ela quiser, apoie.
Pode ser que ela queira sua opinião. Se ela quiser, dê.
Pode ser que ela peça ajuda para pendurar o lustre do quarto. Especialize-se nisso.
Pode ser que ela te pergunte onde tem o melhor fondue de queijo. Assim, no meio da noite. Então, esteja sempre a postos.

De qualquer maneira, o que ela quer é se sentir segura.
Porque, acredite, não é tão simples quanto parece gerar um bebê. Dá um sono danado, uma azia do cão, além de nos deixar um pouco instáveis emocionalmente.

Ah, importante: tente blindá-la dos parentes chatos. Se seus pais estiverem inclusos no pacote, lamento. Faça isso por ela.
Ela não precisa de palpites, nem de conselhos, nem de nada que não pedir.

E esteja ao lado dela, mesmo que não concordar com certas decisões. Certas coisas só o casal pode decidir. Isso vai do nome do bebê até o cursinho de vestibular. O filho é de vocês.

Ah, a sua mãe vai demorar para entender isso. Uma pena, mas você deve lembrá-la sempre que necessário.

No final da gravidez pode ser que ela esteja explodindo. De tensão, de medo do que está por vir, de ansiedade. E de peso mesmo.
Não se acanhe em abraçá-la. Dê todo o carinho possível, esteja ao seu lado e seja homem na hora do parto. Sem perder a ternura.

Depois que o bebê nascer é que começa a maratona de verdade. Evite chamar o Maracanã todo para visitá-los na maternidade. A não ser que ela queira. Por isso, consulte-a para tudo a partir de agora.
O filho também é seu. Nós sabemos. Mas ela quem precisa amamentar, acordar a noite toda e vivenciar o pós parto. Portanto, respeite isso.

Chegando em casa, talvez ela vire um leão com sua cria e não deixe ninguém chegar perto. É instintivo.
Ela não vai mordê-lo, fique tranquilo.

No decorrer dos dias, ela precisa de mais apoio. Precisa amamentar, então, cozinhe para ela sempre que necessário, veja se está tomando água. Não chegue em casa e continue com a mesma rotina de sempre. Porque a dela mudou drasticamente.
Se ela ainda estiver de pijama às oito da noite, jamais pergunte o porquê.
Pode ser que ela não tenha almoçado, nem tomado banho e esteja um pouco cansada de dar de mamar, trocar fralda, dar banho e não conseguir fazer xixi. Então, ofereça ajuda. Fique com o bebê para que ela tenha um tempo só pra ela. Faça com que descanse, coma, durma, tome banho. Cuide dela para que ela possa cuidar do bebê.

Pode parecer esquisito, mas ela precisa justamente de alguém cuidando dela. Ela está exausta, as visitas a deixam ainda mais cansada. Então, por favor, nada de sugerir que seus amigos joguem poker em casa pelos próximos dez meses.

Entenda que a rotina de vocês mudou, que é legal sair do trabalho e ir direto pra casa e tomar todas as providências para que tudo funcione nesse período. Isso inclui fazer mercado, ver o que ela precisa e o que o bebê precisa.

Vai ser um pouco complexo pra você, porque você também quer ser pai. E não sabia que seria tão difícil lidar com a sua demanda emocional e com a dela. Por isso, converse, desabafe, conte como está se sentindo, ao invés de sair pra beber com os amigos.
Ah, e existe uma possibilidade dela não escutar nada que você disser, porque dormiu na metade da conversa.

Faça tudo que estiver ao seu alcance. E, acredite, você vai sentir saudade do cheiro do cocô do bebê.

Só que as coisas vão melhorando. Os ponteiros se ajustando. Se ela precisar voltar a trabalhar, ajude-a na tarefa de estocar leite, e faça um acordo justo caso tenham que levar ao berçário.
Se ela cogitar parar de trabalhar temporariamente para ficar com o bebê, entenda como um investimento no futuro e a apoie.

Ah, como eu pude me esquecer: em alguns momentos pode ser que ela tenha surtos. Nunca, jamais, em hipótese alguma levante a suspeita de ‘depressão pós parto’. Ela só está cansada. Deixe-a dormir por um final de semana inteiro e verá como funciona.

Aliás, esse é o melhor presente que pode dar a ela. Uma mulher que acabou de ter bebê não precisa de jóias. Só de uma noite de sono.

O tema ‘peso’ continua proibido. Se ela estiver amamentando, vai continuar com uma fome insaciável. Não a censure.
Caso diga alguma coisa, esteja certo que não existe nenhum objeto pontiagudo por perto e que você tem a cópia de todas as chaves de casa.

Eu falei que viria a parte boa. E ela vem.
O bebê vai sorrir pra você.

Nesse dia você vai esquecer tudo. Até a falta de sexo.

Então vem a vontade de chegar logo em casa. Você percebe que o bebê e a mãe ficam felizes ao te ver. As coisas ainda parecem difíceis, mas estão mais calmas. Quem diria que esse momento chegaria?

Você percebe que não faz tanta questão de ir jogar futebol com os amigos, ou encontrá-los num happy hour. Troca qualquer coisa por aquele sorriso.

Aquele sorriso vai te mover durante muitos anos. E te alimentar nas suas maiores dificuldades.
Você vai se tornar perito em montar brinquedos, em contar histórias, em fazer cafuné. E tudo vai ficando pequeno à medida que a criança cresce.

Só que a armadilha final vem aí: com o efeito de uma bomba atômica vem a palavra ‘papai’.
E aí, meu caro, você nunca mais será o mesmo.

Seu coração amolece feito manteiga e você não consegue mais dizer ‘não’, nem quando a criança quer comer biscoito de polvilho no banco do carro. Ela pode sujar a sua camiseta branca preferida com a mão de beterraba que tá tudo bem. Você vai até guardar pra recordação.

Vai doer um pouco quando aquela criança começar a crescer.

Você vai sentir saudade de segurá-la no colo. De tomar todas as decisões.
E se perguntar de onde surgiu uma criança tão teimosa.

O dia mais feliz da sua vida vai ser quando ouvir um ‘eu te amo’. E você achava que já tinha sentido o bastante.
Só resista à tentação de comprar coisas para conseguir palavras doces. Amor não se compra. E eles precisam aprender isso.

Tente ser alguém melhor para inspirar seu filho. Ou pelo menos para poder viver mais tempo ao lado dele.
Porque um dia ele vai crescer. Vai sair de casa.

E aquela cama desarrumada vai fazer uma falta danada. Aquele olhar esperando sua aprovação já não vai existir mais. Só que você vai ser eternamente dependente do amor dele.

Ser pai deve ser bem difícil, eu sei. Os créditos ficam todos para a mãe.
Mas, como filha, eu posso dizer o quão inesquecíveis foram os momentos em que meu pai me acordava e me levava na escola. O jeito como preparava café da manhã. Como segurava minha mão quando íamos almoçar fora aos domingos e me comprava chocolate. E perguntar para um filho se gosta mais do pai ou da mãe é como questionar uma mãe sobre qual seu filho preferido.
O amor é totalmente diferente, as afinidades também.
Não importa.

Ser pai não deve ser fácil. Passar por tudo isso é uma aventura e tanto.
Mas, acredite, é a coisa mais recompensadora que você vai ter feito na sua vida.

Feliz dia dos Pais.

4 comments

  1. Raphael says:

    Obg. Foi muito bom ler isso. Cheguei até aqui pesquisando “pai de primeira viagem”. Não tô assustado.. não fiquei.. tô feliz e realizado com a nossa gravidez, mas queria ver um pouco mais.. e esse momento de instabilidade emocional é crucial entender. Obg. Essa leitura foi muito boa e esclarecedora. Obg!

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *