Mãe de Lorena, do Careca TV, desabafa: “Toda mãe é capaz de fazer qualquer coisa por seu filho. Mesmo que seja abrir mão da própria vida”

Mãe de Lorena, do Careca TV, desabafa: “Toda mãe é capaz de fazer qualquer coisa por seu filho. Mesmo que seja abrir mão da própria vida”

“Todos os dias quando acordo e olho para o rosto da Lorena e vejo aquele sorriso iluminado sinto um gostinho de missão cumprida. É aquela sensação que toda mãe tem quando tem orgulho do filho, ou depois de passar por uma barra pesada”

Assim começa o livro da Lorena, mais conhecida por seu canal “Careca TV”. Com o depoimento precioso de sua mãe, Fiorela Reginato, que passou poucas e boas quando descobriu o diagnóstico de sua filha, de câncer. Para ambas, as coisas ficaram mais difíceis depois da cirurgia para extrair o tumor da cabeça. Sua filha perdeu todos os movimentos, e precisou de cuidados extremos. O que impossibilitou a mãe de trabalhar. Separada do marido desde que a filha tinha dois anos, ela acabou passando por todos os tipos de transtornos nesse período. Mas conta a história de superação no livro que está sendo lançado esse mês pela editora Universo dos Livros.

Sobre a recuperação:


“Aos 11 anos minha pequena Lorena voltou a ser um bebê. E eu passei a viver tudo aquilo que jamais imaginava que seria capaz de suportar. Mas a gente suporta. Essa força das mães talvez seja algo a se comemorar. Toda mãe é capaz de fazer qualquer coisa por seu filho. Mesmo que seja abrir mão da própria vida. Mesmo que seja chegar ao inferno, olhar as profundezas de tudo que existe de pior na vida, e depois voltar à superfície. E tentar respirar.
Às vezes acordo e sinto como se nadasse contra a correnteza. Numa daquelas tempestades onde a gente coloca a cabeça para fora para pegar um pouco de ar e não morrer afogado, mas fora da água está tão difícil de respirar quanto dentro dela.
E talvez ninguém nem sonhe como é nossa rotina quando assiste um vídeo engraçado da Lorena no Youtube. Gente, não é fácil. Não é nada fácil. A recuperação de uma criança que passou por uma cirurgia tão delicada e por tantas sessões de radio e quimioterapia é lenta e progressiva
Nessa época ela emagreceu nove quilos. E vê-la frágil era muito difícil. Na radioterapia foram mais cinco quilos. E na quimio foram dois. Mesmo com pouco peso, eu me perguntava de onde vinha a força dela. E ela não fazia um único movimento, nem falava.“

(…)
Sobre o trabalho:

Desde que elas eram pequenas eu trabalhava. E muito. A vida era corrida, elas iam comigo para a farmácia quando eu não tinha com quem deixá-las. Dormiam em colchõezinhos ali no chão enquanto eu trabalhava. Mas nunca faltou amor. Mesmo nos tempos ruins.
Depois da cirurgia, sem trabalhar, minha situação financeira ficou muito ruim. Mas Deus nos envia anjos o tempo todo, e minhas amigas se uniram para conseguir o que precisávamos.
Em alguns dias íamos para Ribeirão sem um real para comprar comida. Em outros, minhas filhas precisavam de roupas e eu não sabia de onde tirar dinheiro para comprar. Era nesses dias que eu chegava em Jaú, passava na farmácia e dava de cara com sacolas arrecadadas pelas minhas amigas, que nos ajudam até hoje a conseguir lidar com a situação.
Sem carro para levar minha filha nos tratamentos e fisioterapias, tive que aprender muita coisa – principalmente a pedir e aceitar ajuda. É difícil dizer para um filho que você não pode comprar algo que ele quer comer. Só quem é mãe sabe como dói.
Naqueles dias em que eu não tinha um centavo para nada, colocava a mão na cabeça e perguntava – meu Deus, e agora?
(…)
No meio do caminho, sofri humilhações de pessoas que acharam que a Lorena construiu o canal pela fama, ou de outros que vinham sondar se eu estava falida. Eram dias que eu me enfiava nos fundos da farmácia e chorava. Chorava e pedia que Deus me enviasse uma solução.

Para adquirir o livro (e dar uma força pra família da Lorena continuar o tratamento), clique aqui:

One comment

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *