A fábrica Mágica: como uma mãe reinventou o próprio sonho com o nascimento da filha

A fábrica Mágica: como uma mãe reinventou o próprio sonho com o nascimento da filha

O nascimento de um filho é sempre um momento marcante na vida do casal. Para a Giovanna, ele foi decisivo.

“A maternidade foi aflorando dentro de mim e eu sentia uma coisa que ainda nem sabia direito o que era. Hoje eu chamo de instinto materno”, conta a artista, que, logo que engravidou, percebeu que não conseguiria continuar no mesmo ritmo de trabalho.

Estava no que acreditava ser o auge profissional. Tinha começado com a música aos seis anos, quando percebeu que não faria outra coisa de sua vida. Fazia ballet e estudava música até que chegou a hora de optar entre uma coisa ou outra.
Optou pela música.
Viajava bastante. Tornou-se maestrina. Regia na Bulgária, Rússia e tinha um estudo de regência aprofundado que a colocava numa posição especial. Apaixonada pelo que fazia, se dedicada 100% para a música.

Foi nessa época que conheceu seu futuro marido, o Bruno. E logo engravidou.
No começo achou que a vida continuaria a mesma.

“Eu tinha aquela ideia de que eu ia ter babá e a vida ia continuar como sempre. Era muito do que eu conhecia do meu círculo de amizades. Todas as minhas amigas tinham voltado para trabalhar depois de alguns meses. Eu não tinha nenhuma vivência. Só tinha uma visão pré concebida da coisa. A minha vivência era aquilo que eu começava a entender naquele momento”

Continuou regendo os musicais em São Paulo, ensaiava doze horas por dia e dava aulas de piano. Só que, conforme a gravidez foi evoluindo, sentiu que alguma coisa tinha mudado.

Abortou a ideia de contratar uma babá e começou a se preparar para um afastamento do trabalho.
“A ideia de ter uma babá era inconcebível a partir daquele momento. Percebi que eu teria dificuldades em deixar outra pessoa cuidando da minha filha. E não queria voltar a trabalhar naquele ritmo. Mas nem imaginava o que estava por vir”.

Quando dividiu seus anseios com o marido, ele a precaveu. Disse que ele a blindaria emocionalmente para que as opiniões externas não a afetassem até que ela decidisse o que fazer.

“As pessoas sempre te perguntam e acabam te influenciando a fazer algo que seu coração diz para não fazer. E eu sabia que naquele momento, tudo que eu queria era cuidar da Catarina. Eu estava enlouquecida por aquela menina dentro da minha barriga”.

Foi no exato momento que a Catarina nasceu que Giovanna tomou a decisão mais importante de sua vida.

“Eu tinha que decidir. E tinha certeza que tinha vivido a minha vida inteira só pra viver aquele momento. Olhei pro Bruno e falei que alguma coisa dentro de mim tinha mudado. Foi uma coisa muito forte. A Catarina veio pra revolucionar a minha vida em todos os sentidos”.

Ainda na maternidade, decidiu que pararia de trabalhar. Mesmo que reger fosse sua grande paixão, e a música estivesse dentro dela, pulsante, desde a infância, sentia que o sentimento pela filha era forte demais e não conseguiria se dedicar ao trabalho com a mesma intensidade.

Como aquela decisão implicaria numa renda a menos dentro de casa, buscou o apoio do marido, que resolveu segurar as pontas enquanto ela se dedicasse à filha.

“O tempo que eu queria dar a mim mesma era de um ano. Mas nesse primeiro ano, muita coisa passava pela minha cabeça. Eu não conseguia largar ela, e ao mesmo tempo, conforme ela ia crescendo, eu lembrava de como o trabalho também me preenchia. Eu sabia que todas as minhas prioridades tinham mudado”.

Conforme os meses foram passando, ela sentiu a dificuldade inesperada. A dependência financeira do marido. Estava habituada a trabalhar com a música desde cedo e sentia falta de ter o próprio dinheiro.

“Nesse ano tive um siricutico. Cada vez que eu pedia dinheiro pro Bruno, sentia que era hora de voltar. Só que não sabia o que fazer. Eu não queria voltar a trabalhar fazendo algo que me tirasse de casa. Então, as aulas de piano ficaram inviáveis. Reger então, nem se fala”.

Ela queria encontrar uma maneira de trabalhar e continuar tendo tempo para a filha. E ia quebrando a cabeça para equacionar tudo.
“Fui tendo ideias e pensando em um monte de coisa, até que me deu um estalo. A resposta estava na minha frente o tempo todo”.

Como já tinha feito um trabalho de música para bebês, olhou para sua filha e percebeu que podia ter a oportunidade de fazer trabalhos musicais com bebês – levando Catarina junto com ela.

“Era uma maneira de trabalhar com música, que era o que eu amava, e não mudar de profissão. Só ressignificar o que já fazia”

Quando colocou o desejo em prática, a coisa viralizou num segundo. Em um semestre já contava com cinco turmas de 10 bebês cada. “Comecei a pirar nesse trabalho e a Catarina fazia todas as aulas comigo. Precisei de uma ajudante para que ficasse com ela no período das aulas, principalmente porque os bebês precisam de acompanhamento”.

O negócio deu certo. Espaços de convivência começaram a chamá-la, fez viradinhas culturais, e seu trabalho ganhou outra proporção até que resolveu fazer um canal no Youtube.

Nesse período, engravidou novamente. “Agora, grávida do Gael, sinto um outro movimento e busco outras coisas, mas sempre estou em busca do melhor para a minha família”, conta.

Começou a desenvolver o próprio material das aulas e sentiu que aquele era um grande diferencial “Pesquiso muito e desenvolvo as coisas para levar novidades sempre e esse é um dos pontos altos do meu trabalho. Tenho uns instrumentos de verdade para bebês, e não brinquedinhos. É uma coisa muito pensada respeitada, feita com muito carinho”

Apaixonada pela nova forma de trabalhar, e pela possibilidade de inserir a filha em seu mundo, ela vê Catarina descobrindo a paixão pela música, como ela própria quando criança.

Enquanto gera Gael, continua gerando ideias. Ideias que inspirem, e que nascem com a força da criatividade que a acompanha para se reinventar a cada momento. “É um período de muita beleza na vida da mulher. Mas também de escolhas importantes. São escolhas que impactam diretamente na nossa felicidade e na dos nossos filhos. São escolhas decisivas para a nossa vida”.

Para ver a Gigi e a Fábrica Mágica, acompanhe o canal no Youtube

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *