O medo dos monstros invisíveis e dos que se escondem dentro de nós

O medo dos monstros invisíveis e dos que se escondem dentro de nós

Hoje tive uma grande lição com a minha filha de 4 anos.
Ela estava na sala deitada chorando porque queria brincar com os Pets.
Os Pets estavam no quarto. Logo, não havia qualquer impedimento dela levantar a bunda do sofá, andar pelo corredor e ir até o quarto dela buscar os bichinhos para brincar.
Então, ela chorava com todas as suas forças que queria brincar com os Pets.

Meu primeiro impulso foi de tentar acolher. Dizer ‘vamos lá filha brincar com os Pets. Mamãe vai com você buscar’. Mas aí percebi que ela tava muito mimada e tudo que batia o pé eu fazia por ela.
Logo, mudei minha postura.

Pensei em deixar chorar até cansar e perceber que aqueles Pets estavam ali no quarto e não tinha motivo nenhum pra ela estar chorando. Podia muito bem levantar e ir buscar sem aquele sofrimento todo.

De repente me deu um clique daqueles que só ela é capaz de me fazer ter.
Me vi nas situações semelhantes dentro da minha vida que eu fico querendo alguma coisa, chorando porque não tenho aquela coisa, achando que está muito distante de mim, e não faço o mínimo esforço pra me mexer e ir buscar.

Ás vezes basta parar de chorar, levantar a bunda do sofá e ir atrás daquilo, mas a gente entra num looping infinito e só consegue enxergar a dor de não estar fazendo o que a gente gostaria (no caso dela, brincando com os Pets).

Logo, parei de julgá-la. Se eu com meus 35 anos não sei me portar de vez em quando e faço chilique quando não tenho alguma coisa, achando que é o fim do mundo, e não consigo perceber que pode ser tão simples conseguir o que quero, imagine pra ela, que, com seus 4 anos, enxerga amigos e inimigos imaginários, anda com dragões de estimação e vive uma eterna briga entre o medo do escuro e a vontade de desbravar a casa sozinha a qualquer hora do dia.

Coube a mim, como mãe, tentar acolher aquele momento dela de fúria, frustração e raiva. Caberá a mim, como mulher, canalizar todas essas energias em direção ao que quero quando me deparar com as minhas dificuldades – imaginárias ou não.
Só sei que quando ela quer, ela dá um jeito de conseguir as coisas.
Nisso eles são bons até demais.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *